campeonato brasileiro


O técnico Ricardo Gomes não revelou o esquema que pretende adotar no jogo de domingo contra o Santos.

Durante a semana foram feitos dois treinamentos coletivos e testados dois esquemas diferentes: o 4-4-2 e o 4-3-3.

O sistema defensivo não mudou em nenhum dos casos e deve ser formado por Rogério Ceni, Cicinho, Alex Silva, Miranda e Richarlyson.

O meio campo com dois atacantes (Dagoberto e Fernandinho) foi formado com Rodrigo Souto, Hernanes, Cleber Santana e Jorge Wagner.

Com Washington entrando no ataque ao lado de Dagoberto e Fernandinho, o meio campo foi formado por Jean, Rodrigo Souto e Hernanes.

Ainda existe uma terceira possibilidade.

Formar as duas linhas de quatro do segundo tempo do jogo do Morumbi, com a entrada de Richarlyson no lugar de Junior César.

O time com esta opção seria: Rogério Ceni, Jean, Alex Silva, Miranda e Richarlyson, Cicinho, Rodrigo Souto, Hernanes e Jorge Wagner, Dagoberto e Fernandinho (Washington).

Para Ricardo Gomes, Richarlyson é um jogador acima da média e por isso vai colocá-lo em campo como titular no domingo, mesmo voltando de contusão.

Segundo o treinador, o bom preparo físico de Richarlyson será importante para reforçar o sistema defensivo contra o Santos.

O São Paulo enviou para a FIFA o projeto de reforma do Morumbi para a Copa de 2014, somente às 23h30min desta quinta-feira.

A expectativa é de que a entidade se manifeste daqui a 2 ou 3 semanas.

Como todos os aspectos técnicos foram atendidos, a tendência é de que finalmente a FIFA de ok para o projeto.

Na segunda-feira o São Paulo tem reunião marcada com Elvio Pascoal, executivo do BNDES, para tratar do empréstimo relativo a Copa de 2014.

A linha de crédito oferecida pelo Banco exclusivamente para as reformas ou construções de estádios para a Copa no Brasil é de 400 milhões de reais.

O São Paulo vai tomar emprestado do BNDES 150 milhões de reais.

Os outros 250 milhões serão emprestados ao governo de São Paulo que por sua vez repassará o dinheiro ao Metrô, para a conclusão das obras de mobilidade no entorno do estádio.

A reforma do Morumbi, com as alterações feitas no novo projeto, está orçada em 300 milhões de reais.

O secretário Geral da FIFA, Jerôme Valcke, esteve ontem em Brasília reunido com o Ministro dos Esportes, Orlando Silva.

Os dois trataram do projeto que prevê isenção fiscal para os parceiros da FIFA de 2011 á 2015.

O ministro dos esportes aproveitou para reiterar mais uma vez que defende a abertura da copa de 2014 na cidade de São Paulo e no estádio do Morumbi.

O prefeito Gilberto Kassab e Caio Carvalho (Presidente do comitê Paulista) voltaram a dizer publicamente que não há um plano B para a cidade de São Paulo.

Em seu Twitter, Caio Carvalho disse ser impossível a construção de um estádio em tempo hábil no terreno de Pirituba, como foi especulado.

As desapropriações que serão feitas, sequer começaram e a prefeitura já avisou que no local está planejada a construção de um grande centro de convenções e não um estádio de futebol.

A alta cúpula tricolor esta de olho na reação dos torcedores em relação a taça das bolinhas.

Embora diga publicamente que ficará com a taça, não será surpresa se alguma ação for estudada para que São Paulo e Flamengo não saiam perdendo com a situação.

Várias sugestões estão sendo feitas e todas serão avaliadas pela diretoria.

Desde a doação da taça para o Museu do futebol, passando por uma réplica a ser dada ao Flamengo, até mesmo na disputa em campo na pausa do Brasileirão durante a copa do mundo, com um jogo no Maracanã e outro no Morumbi.

Este e todos os outros textos publicados no blog, já podem ser encontrados tambem no Kigol (www.kigol.com.br)

Finalmente acabou a disputa pela chamada Taça das Bolinhas.

Nesta quarta-feira o departamento jurídico da CBF que analisou documentos sobre o polêmico campeonato Brasileiro de 1987, disse ao presidente Ricardo Teixeira que o título de primeiro pentacampeão deveria ser dado ao São Paulo.

A CBF também informou que a FPF (Federação Paulista de Futebol) é a responsável pela entrega da Taça das Bolinhas ao time do Morumbi.

A taça esta passando por restauração e assim que estiver pronta será encaminhada a Federação Paulista e depois ao São Paulo.

Fabio Koff venceu a batalha contra Kleber Leite e foi reeleito pela sexta vez consecutiva, presidente do clube dos 13.

Koff já está ha 14 anos no poder.

Juvenal Juvêncio será o vice-presidente.

A eleição foi feita no sistema de votos abertos, e Fabio Koff venceu por 12 a 8.

Os clubes votaram da seguinte maneira:

Fabio Koff – São Paulo, Flamengo, Palmeiras, Fluminense, Atlético Mineiro, Atlético Paranaense, Sport, Grêmio, Inter, Guarani, Bahia e Portuguesa.

Kleber Leite – Corinthians, Santos, Cruzeiro, Botafogo, Goiás, Vitória, Vasco e Coritiba.

Kleber Leite era apoiado pela CBF e Rede Globo, mas não conseguiu convencer a maioria dos clubes associados de que seria a melhor opção.

Não sou a favor do continuísmo em nenhum segmento, mas neste caso, acho que era necessária a permanência de Fabio Koff no comando do clube dos 13.

Com Kleber Leite no comando, a entidade nada mais seria do que um escritório da CBF e da Rede Globo.

Sempre lembrando que Kleber Leite, com sua agencia de publicidade, é parceira da CBF, nos negócios envolvendo a seleção Brasileira até 2014.

A reeleição de Fabio Koff pode fazer com que a idéia da criação de uma liga de futebol independente, sem o controle da CBF, saia finalmente do papel.

Pode evitar também o total monopólio de uma emissora nas transmissões esportivas, já que a Rede Record, por exemplo, terá ao menos a chance de fazer sua proposta aos clubes, que desejam receber da TV, mais do que os 500 milhões de reais pagos hoje em dia.

Nenhum dos dois candidatos pode ser considerado um primor, mas diante das circunstancias, acho que venceu o menos nocivo ao futebol Brasileiro.

O São Paulo tem um jogo decisivo no Paulistinha neste domingo.

Precisa vencer o Botafogo no Morumbi para continuar entre os 4 primeiros.

Ricardo Gomes não poderá contar com Washington e Leo Lima suspensos, além de Cicinho e Richarlyson no departamento Médico.

Fernandinho entra no ataque ao lado de Dagoberto e Jorge Wagner permanece no meio.

Jean fica na lateral direita.

Na lateral esquerda, Carleto pode começar o jogo como titular, já que Junior César acusou cansaço com o jogo contra o Monterrey e a viagem de volta ao Brasil.

Após o treinamento deste sábado, Ricardo Gomes concedeu entrevista á imprensa presente no CCT.

Acompanhe aqui no blog os principais trechos:

P – O São Paulo quando jogou sem uma referencia no ataque (Bragantino), acabou sentindo e perdendo muitos gols. A escalação sem Washington vai se repetir neste domingo, isto preocupa?

RG – Isso aconteceu apenas em um jogo. Contra o Corinthians mesmo sem referencia, marcamos três gols. Cada jogo tem uma história.

Podemos jogar com um atacante de referencia ou jogar com atacantes mais abertos, tudo depende da partida.

P – Cicinho se machucou de novo e tem sem contrato vencendo no final de Junho, você acha que o custo beneficio deste atleta não está compensando?

RG – Eu acho que ele já esta melhorando em seu condicionamento físico.

Quanto ao custo beneficio eu acho que o Cicinho vai ficar conosco um pouco mais do que Julho ou Agosto.

Tenho quase certeza, é claro que existe uma negociação, mas tenho muita confiança de que ele vá ficar aqui até o final deste ano.

P – Você espera um jogo aberto já que o Botafogo vem para o tudo ou nada e o São Paulo também tem que vencer para permanecer entre os quatro?

RG – O Botafogo precisa de uma vitória para tentar a classificação, assim como nós, então espero um grande jogo.

P – O presidente Juvenal Juvêncio manifestou interesse em renovar seu contrato, você vê isso como uma resposta á quem te critica?

RG – Não me preocupo com isso, não tenho que dar respostas aos críticos.

Eu deixei bem claro no começo do ano que teríamos que nos classificar no Paulista e na Libertadores.

Estamos brigando nas duas frentes e vamos nos classificar!

Ainda temos uns bons meses para o término do contrato, então uma coisa não pode apagar a outra.

Se o time não está jogando bem, temos que aceitar as críticas e trabalhar para melhorar!

P – Você disse que a questão do contrato não te preocupa, mas, o mau futebol apresentado pelo time até agora é motivo de preocupação?

RG – Não preocupa porque tenho certeza de que vai melhorar!

Jogamos três partidas complicadas fora de casa.

Uma, perdemos no ultimo minuto.

A outra controlamos bem até virar uma partida de tudo ou nada para o adversário e mesmo assim conseguimos segurar.

É claro que o São Paulo em casa já está mostrando um bom nível, embora ainda precise melhorar.

P – O time terá um bom tempo até a decisão contra o Once Caldas no dia 21, dá para preparar a equipe mesmo com uma semifinal do Paulista no meio?

RG – Dá sim, acho que nós nos preparamos para isso, senão nós descartaríamos o paulista.

O São Paulo hoje não tem outra solução senão vencer ou vencer, independente da frente de trabalho!

P – Você acha que Alex Silva está ocupando o papel de xerife na equipe, vago desde que Diego Lugano deixou o São Paulo?

RG – O Alex chegou e tomou conta da posição.

Ele lidera com muita propriedade.

Eu sinceramente não o conhecia até sua chegada.

Apenas pela televisão e vídeos e realmente me agradou bastante.

P – Porque a maioria dos chamados xerifes são jogadores de zaga?

RG – Porque o zagueiro não passa muito tempo com a bola, então tem tempo para falar e como está sempre de frente para a jogada, tem uma boa leitura de jogo e consegue sempre orientar o time.

P – Que auto-análise você faz a frente do São Paulo?

RG – São Paulo e Corinthians têm metas diferentes de Santos e Palmeiras, o planejamento para a libertadores é diferente do planejamento da Copa do Brasil.

No começo da temporada foi feito um rodízio e isso agora já acabou.

Mas foi necessário, pois, vamos entrar agora em uma fase decisiva do Paulista e não era possível queimar etapas no mês de Janeiro e Fevereiro.

Hoje temos apenas Richarlyson e o Cicinho com contusão muscular no elenco.

Conseqüentemente isso vai melhorar o nível de jogo que é o que todos esperam.

Acho que vai melhorar na fase decisiva, então não adianta ficar criticando.

O trabalho foi desenvolvido desta forma porque temos duas frentes de batalha.

Poderíamos jogar com um time A e um time B e estaríamos assim descartando uma competição, mas não quisemos.

Pagamos um preço por isso, mas, isto estava no planejamento.

Próxima Página »