João Paulo Jesus Lopes, além de ser diretor de futebol do São Paulo é vice secretário de estado do governo Paulista (Transportes Metropolitanos).

Nesta entrevista exclusiva e esclarecedora, ele fala não só do São Paulo e da taça das bolinhas, como também da polêmica questão envolvendo o Morumbi na Copa de 2014.

Acompanhe.

ML – Como o São Paulo recebeu a informação de que o árbitro do jogo de hoje (José Henrique de Carvalho) mesmo suspenso pela CBF foi escalado pela Federação Paulista?

JP – O Barão de Itararé, grande Humorista do passado, dizia o seguinte: de onde você espera que não venha nada, não vem nada mesmo!

Eu só quero dizer isto, eu vou esperar o que?

ML – A CBF designou a Federação Paulista para entregar ao São Paulo a polemica taça das bolinhas, Marco Polo Del Nero disse que vai entregar o troféu ao clube em um carro de bombeiros, a diretoria do São Paulo subiria neste carro?

JP – O importante de uma taça é o simbolismo que ela representa, e ela representa os cinco títulos de grande relevância que o São Paulo conquistou.

O foco do departamento de futebol é conquistar títulos.

O que vai ser feito com a taça, como ela vai ser recebida, é um problema do departamento de patrimônio, não do departamento de futebol.

O que eu posso dizer nesta questão é que estou sentindo mais entusiasmo da própria federação Paulista para entregar a taça, do que do clube.

Nós vamos receber a taça com toda a elegância, com toda a honra, pelo simbolismo que ela tem, da conquista de cinco campeonatos Brasileiros dentro do campo sem ninguém nos ajudar!

ML – Mas o senhor subirá no carro do corpo de bombeiros junto com o presidente da federação Paulista para receber a taça das bolinhas?

JP – Se o caminhão do corpo de bombeiros prometer que vai nos resgatar desta administração e apagar o incêndio que foi feito com o futebol Paulista, eu vou!

ML – O jornal “ O Estado de São Paulo” publicou duas matérias dando conta de que a FIFA vetaria o estádio do Morumbi para a Copa de 2014, a própria entidade negou a informação, assim como o governo municipal e estadual.

De qualquer forma o Morumbi ficou no olho do furacão.

Como a diretoria do clube se posiciona diante desta situação?

JP – A situação do São Paulo hoje é confortável.

Ele cumpriu todas as exigências que a FIFA mandou.

Encaminhou o projeto para o comitê Paulista, para o comitê governamental e todo o material já está de posse da FIFA.

O São Paulo tem que prestar contas ao comitê organizador da Copa de 2014 e as informações vindas de lá são positivas.

Não nos surpreende, contudo, que freqüentemente e até em momentos políticos, apareçam informações desencontradas.

Me surpreende sim um jornal da respeitabilidade de O Estado de São Paulo, dirigido por uma família de extrema repercussão e São Paulina, inclusive, possa abrigar noticias tão estapafúrdias!

Pelo que pudemos apurar as fontes que passaram as informações ao jornalista Silvio Barsetti são bastante relevantes!

Isso só nos deixa com a certeza que de há um grande interesse político, um grande interesse em construir um novo estádio!

É obvio que estes interesses movimentam uma oposição muito forte ao nosso estádio, além daqueles que gostam de atirar pedra em laranjeira que dá fruto!

O que posso dizer é que nosso projeto vai muito bem, nós temos todo o apoio do governo do estado de São Paulo, da prefeitura e do governo Federal.

Tenho ouvido que o prefeito vai desistir do Morumbi, que o governador não vai mais apoiar!

As fontes do jornalista que sabemos de onde vem, tem a petulância de se apresentarem mais informadas até do que os próprios governos, o que é um absurdo!

Isso é o rabo abanando a vaca!

ML – É importante esclarecer a questão financeira. Alguns garantem que o novo projeto do Morumbi custará 1 bilhão de reais, qual o real valor da obra e aproveitando, fale sobre a reunião desta segunda-feira do São Paulo com o BNDES para tratar do empréstimo de 150 milhões de reais para as reformas do estádio?

JP – É totalmente inverídica a informação de que a reforma custará 1 bilhão.

O numero que chega ao comitê estadual do qual faço parte é da ordem de 300 milhões de reais, agora, depois das mudanças no projeto!

Números facilmente comprováveis, porque o São Paulo abriu mão de 250 milhões de reais da linha de crédito que o BNDES oferece (400 milhões).

Este dinheiro será usado pelo governo do estado através da companhia do Metrô para as obras do entorno do estádio e da futura linha 17, a linha ouro, que vai sair da estação São Judas e passará pelo aeroporto, estação Morumbi da CPTM, região da favela de Paraisópolis e chegará até a estação Morumbi/Butantã na linha amarela.

Para você ter uma idéia da importância da linha 17, a previsão de uso é da ordem de 220 mil passageiros por dia, após sua inauguração!

Este número representa a metade do uso de todo o metrô do Rio de Janeiro!

Este número representa o volume de dois terços do metrô de Washington, capital dos Estados Unidos!

É um legado importantíssimo para a população!

É por isso que o governo do estado de São Paulo está apoiando a construção desta linha e das obras que serão feitas na região do estádio do Morumbi.

ML – O estacionamento que será construído em frente ao estádio e o monotrilho que ligará a estação Butantã ao Morumbi, também são obras de responsabilidade do Metrô?

JP – O monotrilho na verdade faz parte da linha 17 e o estacionamento será construído para ser usado pelos usuários da estação.

O numero de vagas ainda está sendo definido, mas será um pouco superior a mil vagas.

Este número atende plenamente as necessidades da companhia em primeiro lugar e também do estádio em razão da Copa do Mundo.

Este estacionamento será feito em baixo de uma grande área verde, de uma praça arborizada, onde ficará também a estação do metrô.

ML – É possível construir um estádio para a Copa no terreno de Pirituba como vem sendo especulado?

JP – O projeto de Pirituba é municipal, da SPturis.

Pelo que eu soube através do Caio Luiz de Carvalho, este é um projeto para um centro de convenções que será implantado ao longo dos anos e que certamente não será concluído antes da copa do mundo.

É um projeto voltado para shows, para convenções, poderá até ter um campo de futebol.

O numero de espectadores em um estádio que se poderia construir lá é de 40 mil, muito inferiores ao mínimo exigido pela FIFA, para uma abertura de copa do mundo.

É um grande projeto da prefeitura e torço e para que seja implantado, porque vai dotar a cidade de um equipamento que hoje não tem.

Agora, temos a convicção de que este projeto não tem a mínima condição de ser implantado até 31 de dezembro de 2012, que é o prazo final definido pela FIFA para que todas as instalações estejam concluídas para a copa das confederações.

* Esta entrevista já está disponivel também em meu novo blog no site Kigol (kigol.com.br/mlima)