A gazeta esportiva Ilustrada

Como prometido vou dar inicio a série de reportagens feitas na Revista “ A GAZETA ESPORTIVA ILUSTRADA”.

A capa da primeira edição de 1957 tem como “modelo” o goleiro Bonelli do São Paulo.

A revista fez uma retrospectiva do que de melhor aconteceu em 1956,com destaque para o campeonato Paulista vencido pelo Santos,em um jogo extra contra o São Paulo realizado no Pacaembu (Santos 4 x 2 São Paulo).

A matéria feita pela equipe da revista sobre o bicampeonato Santista,será reproduzido com a grafia da época.

Santos – Bi- Campeão em 1956!

Esta encerrado o campeonato Paulista de futebol de 1956.Encerrado com um jogo extra para que o campeão pudesse ser apontado.

São Paulo e Santos terminaram,após duas campanhas das mais meritórias,empatados no primeiro posto do torneio.

Antes que se diga algo da já tão decantada vitória praiana é necessário afirmar que este foi,realmente,um dos maiores campeonatos dos últimos efetuados,notadamente no setor das arrecadações que impressionaram favoravelmente.

Os clubes terminaram,muitos deles,com os cofres cheios de dinheiro,o que era difícil e considerado até impossível em certames anteriores.

A explicação deste sucesso financeiro,primeiro,foi o interesse que desde logo despertou entre os litigantes a batalha pela posse da taça “A GAZETA ESPORTIVA” primeiro pelo Santos,que a conquistou com 24 jogos sem derrota e,depois pelo Corinthians que logrou,com 25 jogos no mesmo certame roubar o troféu precioso dos praianos.

Esse “vai e vem” provocou jornadas memoráveis e um sem-numero recordes de renda,como é do conhecimento público.

Depois a luta pelo título,sempre empolgante e difícil,provocando novas “enchentes” nos pequenos estádios paulistas,e,por último,uma partida mais,a finalíssima,decisiva para o cetro de 1956.Tudo contribuiu para o exito do torneio.

UMA GRANDE CONQUISTA

O Santos ganhou o título com todas as honras. Lutou desde o Torneio de classificação para se firmar no primeiro posto. A idéia do bi-campeonato levou os praianos,ás vezes,considerados fora do páreo,até o título máximo.

Mesmo as derrotas,ás vezes acachapantes,como contra o Corinthians (4 a 0) e São Paulo (3 a 1),na própria Vila Belmiro,acabaram com o animo dos campeões de 55 e 56.Depois ,uma derrota ante o Palmeiras (2 a 1) os colocava praticamente fora do título,a Portuguesa faz o São Paulo tropeçar (2 a 2) e tudo se equilibra.

Vem o confronto Corinthians e Santos,teste decisivo para as possibilidades do alvi-negro praiano e,o clube “campeão” da técnica da disciplina vence como campeão (2 a 1 ).Depois disso,com 6 pontos perdidos tanto Santos como São Paulo,houve necessidade de uma partida decisiva e ela foi realizada com uma nova grande arrecadação (Cr$ 2.086.560,00).

Neste jogo o Santos por muitos colocado em plano inferioridade ao São Paulo que,realmente,vinha de notáveis exibições,foi para a luta com toda a sua alma e conseguiu feito dos mais expressivos superando o tricolor do Morumbi pela altissonante contagem de 4 a 2.

Não existem quaisquer restrições ao feito dos Santistas,pelo contrário,o mesmo merece elogios. Foi,o Santos a equipe que mais manteve o primeiro posto e que mais lutou visando o título,aproximando-se do mesmo por diversas ocasiões até a conquista final.

Nos 4 a 2 a equipe do Santos reencontrou o seu melhor jogo,livre de complexos e partiu para a grande vitória que lhe vale pelo bi-campeonato e mais uma brilhante pagina em sua longa história.

REVELAÇÕES DO CERTAME

As grandes revelações do campeonato que agora se encerra foram:

Orlando,Diógenes, Ditão e Ademar (Juventus), Maurinho, Savério,e Aldo (São Bento),Drace e Renzi (XV de Piracicaba), Barrela ( XV de Jaú),Zé Americo e Sergio (Taubaté),Martim,Joel,Mazzola e Mexicano (Palmeiras), Sarará e Riberto (São Paulo), Amaral (Portuguesa de Desportos), Valmir (Corinthians), e Dorval (Santos,atualmente no Juventus).

Nos clubes que não lograram classificação e que disputaram o certame da “série branca” Bazzani,Afonsinho,etc.

ZEZINHO GOLEADOR MAXIMO

O atacante Zezinho do São Paulo,apesar de ausente da equipe em alguns jogos,marcou nada menos que 28 gols em todo o certame. Não deixa de ser um fato digno de registro. Paulo do Corinthians,marcou 26 tentos. Outra boa soma do “tanque” do alvi-negro.

Anúncios