tecnico-de-futebolConcordo plenamente com o Post feito pelo meu amigo Luis Augusto Simon (Menom), em seu seu blog.

Ele sugere que os técnicos passem a fazer contratos por produtividade, como é  feito hoje com alguns atletas.

Pedrinho, no ano passado, Lenny e Denílson neste ano, são exemplos desse tipo de contrato.

O jogador tem um salário Fixo, relativamente baixo, e vai ganhando mais dinheiro conforme sua participação na equipe. Quanto mais jogar, mais recebe.

Em minha opinião, No caso dos técnicos, seria um contrato por objetivos conquistados.

A exemplo dos jogadores, ele teria um salário fixo, e ganharia por conquistas ou objetivos alcançados.

Ganharia um aumento conforme a importância do campeonato conquistado.

Paulista peso 1, Copa do Brasil peso 2, Brasileiro peso 3, Libertadores peso 4 e Mundial peso 5.

Não foi campeão, mas classificou a equipe para a sul americana, leva um bônus, conseguiu vaga para a Libertadores, o bônus é mais generoso.

Se esse tipo de contrato fosse realmente levado a sério, muitos treinadores, que hoje tem salários astronômicos, teriam apenas um pequeno aumento em relação ao valor inicial e não custariam tanto a suas equipes.

Muitas vezes o salário é alto, mas o retorno é baixo.

Será que os “professores” topariam este tipo de contrato?Acho que não.

Anúncios